top of page

Respiração Oral não diagnosticada cria ​crianças Doentes

​A respiração nas crianças: Aquelas que não respiram pelo nariz são mais propensas do que os seus pares a ter problemas psicológicos e de saúde a longo prazo.

By Lauren Vinopal Jul 09 2019, 1:59 PM

A noção de que a respiração oral é para os estúpidos e inaptos é uma premissa cómica de longa data, mas a verdade médica é um pouco mais perturbadora. Os Respiradores orais, crianças que respiram desproporcionalmente pela boca, correm um grande risco de problemas médicos. Todos os problemas de respiração podem realmente alterar o desenvolvimento das crianças e os efeitos persistentes da respiração oral podem ser difíceis de reverter em adultos. Embora o problema possa ser difícil de diagnosticar – dificultando saber quantos respiradores orais existem – alguns sintomas podem ajudar profissionais da área médica a intervir quando necessário.

“A respiração pela boca, ocorrendo especialmente em tenra idade, altera o desenvolvimento do rosto da pessoa. Provoca um rosto comprido, com o queixo recuado, congestionamento nasal, as narinas dilatadas, os dentes tortos e o sorriso gengival”, explica o médico Anil Rama. “Também provoca cáries, mau hálito, problemas de sono e alterações de personalidade”.

O Dr. Rama pode parecer que está a ser duro. Só que não. Há muitas evidências para sugerir que as crianças que respiram pela boca têm maior probabilidade de ter dificuldades na escola, chorar à noite, crescer mais devagar, sofrer de mau humor e desenvolver amígdalas e adenóides maiores do que as crianças que respiram pelo nariz. Quando crescem, os respiradores orais são mais propensos a fadiga crónica, confusão cerebral e, como o Dr. Rama assinalou, têm um tipo de rosto estranho. Por outras palavras, a forma como usamos “respirador oral” para conotar alguém que é um pouco diferente e tem alterações é realmente bastante preciso – embora claramente indelicado.

Causas e problemas

A respiração pela boca, que é comumente provocada por asma, alergias e sucção excessiva do dedo ou chupeta, é prejudicial por um motivo bastante específico. Quando as pessoas respiram pelo nariz, elas ativam os seios paranasais que produzem óxido nítrico, facilitando a circulação de oxigênio por todo o corpo, ajudando os pulmões a absorver oxigénio, relaxando os músculos e permitindo que os vasos sanguíneos se dilatem. O óxido nítrico também possui propriedades antifúngicas, antivirais, antiparasitárias e antibacterianas, que fortalecem o sistema imunológico e previnem infeções. Respirar pelo nariz basicamente ajuda a limpar o corpo.

A importância de respirar pelo nariz

“A respiração nasal é importante para limpar, humedecer e processar o ar para os pulmões. Também melhora diretamente o sono e regula a respiração, o que ajuda a manter a calma”, observa o Dr. Rama. A falta de respiração nasal ao longo do tempo pode prejudicar gravemente o humor e a saúde mental de uma pessoa. “A respiração pela boca é o que vai sobrecarregar um relacionamento. Os respiradores orais em geral são mais irritáveis, zangados, sem paciência, stressados, esquecidos, sonolentos, fatigados e não tão felizes quanto poderiam ser.”

Os médicos podem diagnosticar respiradores orais observando padrões comportamentais, problemas dentários, fala e rouquidão. Mas leva tempo, pois todos estes sintomas são bastante comuns e normalmente não são alarmantes.

A respiração pela boca só deve ocorrer quando se está doente

As pessoas raramente percebem a importância da respiração nasal até ficarem doentes com uma constipação e ficarem congestionadas. Quando isso acontece, o sono, a respiração e a irritabilidade deles sofrem. Isso é tipicamente atribuído à doença, mas na verdade é um resultado direto da respiração oral. Às vezes, tratar a respiração pela boca é uma questão de tratar uma doença subjacente que prejudica a respiração nasal, mas, às vezes, a respiração pela boca pode se tornar uma questão de hábito.

Para respiradores orais adultos, o Dr. Rama recomenda exercícios de fortalecimento da mandíbula para atenuar a respiração oral. Mas a maioria dos respiradores orais começa quando ainda são jovens, simplesmente porque não percebem as consequências, então diagnosticar e corrigir cedo é a solução mais eficaz. Em última análise, a respiração pela boca é algo que as crianças só devem fazer quando estão mesmo doentes. Caso contrário, estão a enviar ao corpo uma mensagem de que algo está errado e mudam o curso de desenvolvimento, adverte Dr. Rama.

“O corpo responde e adapta-se normalmente ao que é um ato anormal de respiração oral. O resultado é um corpo e mente desequilibrados e doentes”.

Sobre o Dr. Anil Rama, MD

Dr. Anil Rama é psiquiatra em San Jose, Califórnia e é afiliado ao Centro Médico Kaiser Permanente San Jose. Ele recebeu seu diploma de médico da Escola de Medicina da Universidade George Washington e está em prática há mais de 20 anos. https://health.usnews.com/doctors/anil-rama-61150

A vitamina D, às vezes chamada de “vitamina do sol”, surge com frequência no cenário clínico. Nas últimas décadas, aprendemos que a vitamina D pode realmente ter um papel muito mais amplo na saúde humana do que se pensava.

A deficiência de vitamina D é muito comum, principalmente devido à exposição limitada ao sol na população em geral. Do outro lado do espectro, muita vitamina D, geralmente por causa da suplementação excessiva, também pode ter efeitos negativos na saúde. Assim, a compreensão dos níveis ótimos de vitamina D é importante para promover a saúde.

As funções mais importantes da vitamina D e seus metabólitos são a regulação do cálcio e do fósforo e o metabolismo ósseo. No entanto, sabemos agora que a vitamina D pode ter outras funções bioquímicas, incluindo efeitos sobre a inflamação, proliferação celular, regulação gênicae função imunológica. A deficiência de vitamina D tem sido associada a várias doenças, algumas das quais incluem depressão, fibromialgia, doença arterial periférica, doença cardiovascular, vários tipos de cancro, esclerose múltipla, acidente vascular cerebral, quedas, fraturas, diabetese doença renal. Uma associação entre vitamina D e morte também foi relatada.

A nossa pesquisa

Estudos epidemiológicos anteriores sobre vitamina D e mortalidade tiveram uma série de limitações, muitas das quais pensamos que poderiam ser abordadas pelo Rochester Epidemiology Project. Assim, propusemo-nos a estudar a relação entre altos e baixos níveis de vitamina D e risco de morte, e publicámos recentemente um artigo na Mayo Clinic Proceedings sobre este tópico.

O nosso estudo usou registros médicos vinculados no Rochester Epidemiology Project para examinar pacientes adultos que tinham medido o nível de vitamina D (25-hidroxivitamina D) durante um período de 6 anos (2005-2011), e que foram seguidos até 2014. Nós observámos que os pacientes caucasianos com níveis de vitamina D inferiores a 20nanogramas / mililitro (a atual definição de deficiência de vitamina D) apresentavam risco aumentado de morte comparados àqueles com níveis na faixa normal de 20-50ng / mL.

Surpreendentemente, não observámos essa conexão em pacientes que não eram caucasianos. Também descobrimos que níveis elevados de vitamina D (acima de 50 ng / mL) não estão associados a um risco aumentado de morte para nenhum dos dois grupos – apesar do que foi relatado em outros estudos.

Sabemos que níveis baixos de vitamina D são muito mais prevalentes em indivíduos de pele mais escura, especialmente aqueles que vivem em climas do norte. No entanto, se isso se traduz em maiores taxas de efeitos adversos à saúde não é claro. Com base em nossos achados, podemos dizer que baixos níveis de vitamina D não aumentam o risco de morte em não-brancos ao mesmo nível que os brancos.

E agora?

Talvez o que constitui um nível de vitamina D “normal” ou “deficiente” deva variar com base na raça/etnia. Infelizmente, a maioria das pesquisas sobre a vitamina D foi realizada em populações caucasianas, por isso é necessária uma pesquisa mais aprofundada com populações etnicamente diversas para esclarecer essa questão.

Por enquanto, ao escolher tratar, até que novas pesquisas ajudem a esclarecer diferentes pontos de corte de vitamina D com base na raça ou na etnia, o tratamento deve ter como alvo um nível de vitamina D de 20-50 ng / mL.

Além disso, dada toda a atenção que a vitamina D recebeu nas últimas décadas, o teste da vitamina D aumentou significativamente, embora às vezes talvez desnecessariamente. Tal como acontece com a maioria dos outros testes médicos, o teste de vitamina D só deve ser realizado se a apresentação clínica do paciente indicar uma possível deficiência ou excesso de vitamina D.

Daniel Dudenkov, MD, é médico geral de medicina interna e pesquisador de serviços de saúde na Mayo Clinic, em Rochester, Minnesota

Traduzido para português por Dra Rita Sousa Tavares

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page